O que é uma CGH (Central Geradora Hidrelétrica)? | Hidroenergia Engenharia e Automação

Topo

+55 55 3331-1201

atendimento@hidroenergia.com.br


O que é uma CGH (Central Geradora Hidrelétrica)?

Postado em: 31 de maio de 2018

O que é uma Central Geradora Hidrelétrica - CGH

CGHs ou Centrais Geradoras Hidrelétricas são pequenas usinas que utilizam a força e pressão da água para gerar energia elétrica. São hidrelétricas de pequeno porte, como as PCHs, porém com capacidade e tamanho ainda mais reduzidos.

Existem diversos benefícios para quem investe em CGHs, com relação a outras categorias de hidrelétricas, veja neste post!

Enquanto as PCHs podem ter potências entre 5 e 30MW, as CGHs podem ter potências entre 0 e 5MW.

Se você ainda não leu nosso texto sobre PCHs, clique aqui para ler agora. É importante que faça isso, pois serão utilizadas referências presentes nele.

 

Estrutura das CGHs:

 

A estrutura das CGHs é semelhante à das PCHs, com a diferença de que, por terem estruturas e potências menores, a barragem – quando existe – geralmente não tem o objetivo de armazenamento de água, mas apenas garantir a operação da tomada d’agua.

Então, a estrutura da CGH pode ter uma barragem ou não, tem-se os condutos forçados e os reguladores de entrada de água como válvulas e comportas (os hidromecânicos), a casa de máquinas onde se localizam os equipamentos como turbinas, geradores e painéis de regulação e controle da usina e também uma estrutura para devolver a água para o rio.

A agua é captada do rio através da tomada d’agua e levada por tubulações – condutos forçados – para as turbinas. A pressão exercida pela água no rotor da turbina – parte interna da turbina – faz com que ele gire, causando o movimento de um eixo. Esse movimento de eixo gira o rotor do gerador – parte interna do gerador – que transforma a energia mecânica do movimento em energia elétrica. Após passar por dentro da turbina, a água é devolvida para o rio.

 

Qual a vantagem de investir em usinas menores como as CGHs?

 

O art. 8º da Lei nº 9.074, de 7 de julho de 1995 diz que

“O aproveitamento de potenciais hidráulicos e a implantação de usinas termoelétricas de potência igual ou inferior a 5.000 kW (cinco mil quilowatts) estão dispensados de concessão, permissão ou autorização, devendo apenas ser comunicados ao poder concedente”.

 

Sendo assim, para a construção das CGHs há uma dispensa de concessão, permissão ou autorização, incluindo os trâmites da ANEEL. Portanto a burocracia para construção de uma hidrelétrica com capacidade inferior a 5MW é muitíssimo menor do que as com maior capacidade.

Nesse caso, os procedimentos para construção de uma CGH estão mais relacionados as Licenças Ambientais, porém, como o tamanho e a capacidade da usina são reduzidos, os impactos ambientais também são. Por isso, há uma facilidade em conseguir a documentação junto aos órgãos ambientais competentes – em comparação com as usinas maiores.

Outro benefício de investir em uma CGH é o custo muito mais baixo, devido a sua estrutura reduzida. O efeito disso é a descentralização da produção de energia, tornando possível que investidores privados também participem do setor.

 

Algumas Informações sobre as CGHs no Brasil:

 

Segundo a Associação Brasileira de PCHs – ABRAPCH,

“O Brasil conta com 554 unidades de CGHs em operação instaladas em todo seu território, que representam 425.428 quilowatts (kW) de potência instalada. Com essa abrangência, essas centrais geram aproximadamente 0,2% do total da matriz energética do país. ”

 

Ficou com alguma dúvida sobre as CGHs? Gostaria de contribuir com nosso posts?

Deixe um comentário abaixo, ficaremos felizes em receber sua mensagem e responderemos com muito prazer!

Deixe o seu comentário: