Conheça as PCHs – Investimentos que estimulam a indústria e geram empregos em todo o país | Hidroenergia Engenharia e Automação

Topo

+55 55 3331-1201

atendimento@hidroenergia.com.br


Conheça as PCHs – Investimentos que estimulam a indústria e geram empregos em todo o país

Postado em: 26 de Março de 2018

PCHs – Investimentos que estimulam a indústria brasileira e geram empregos em todo o país

Vemos sempre muita propaganda e entusiasmo para “estimular a indústria nacional” e “fortalecer os laços que geram empregos” em nosso país, não é verdade?

É realmente uma necessidade que todo brasileiro pode afirmar com conhecimento de causa – especialmente em épocas de crise como a que vivemos recentemente.

Ocorre que, infelizmente, ainda, não é em todo tipo de serviço prestado que isso realmente acontece na prática. E este é um dos diferenciais que a Hidroenergia quer mostrar hoje para você. Temos certeza que você vai aprovar.

Trata-se de um tipo de usina hidrelétrica pensada para quem precisa ou quer investir em energia elétrica, mas numa estrutura menor que as grandes usinas.

São as Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs – guarde este nome, pois você vai vê-lo muito por aqui), ou seja, usinas de estrutura e níveis menores que as grandes usinas mais conhecidas e comuns em nosso território.

A Resolução nº 673/2015 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) foi realizada, então, para outorgar a implementação e exploração do potencial hidráulico em categoria “pequena”.

Depois disso, só houve motivos para comemorar: em menos de um ano quase 200 PCHs já estavam aptas à outorga e prestes a entrar em pleno funcionamento.

Os investimentos previstos eram de 16,5 bilhões e os estados brasileiros que se destacaram na quantidade de usinas aptas foram: Paraná (35), Mato Grosso (28), e Rio Grande do Sul (27) – aqui estamos nós!

Para se ter ideia da seriedade do processo que culminou na aprovação da Resolução, o projeto foi discutido em uma audiência em duas fases, no ano
de 2014, e contou com a contribuição de mais de 240 associações e pessoas interessadas e conhecedoras das administrações necessárias.

Ou seja, um projeto sério, competente e devidamente estudado para iniciar um novo norte no ramo da produção de energia elétrica e que traz uma série de benefícios:

  • Construção mais rápida e que atende investidores que querem gerar sua própria energia com gasto menor;
  • Geração de energia descentralizada;
  • Geração de empregos diretos e indiretos;
  • Diversidade de implementação de tipos de usinas;
  • Fomento das indústrias nacionais;

 

Uma usina é considerada PCHs por conta de seu tamanho e potência, entre 5 e 30 megawatts (MW) de potência e não pode ultrapassar 13 km de área de reservatório. Só para ter uma noção da média de energia gerada: 1 de potência MW pode abastecer cerca de mil casas.

Atualmente, as PCHs são responsáveis por 3,5% de toda a capacidade do sistema nacional interligado. Se fôssemos “somar” as potências distribuídas entre as PCHs em todo o Brasil resultaria em 14.926 MW, o que é maior do que a potência da Usina de Itaipu, por exemplo.

Para que a construção de uma nova PCHs seja autorizada é necessário cumprir algumas etapas que incluem aprovação do projeto, averiguação e alguns documentos oficiais como a Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e Licença Ambiental (LA), por exemplo.

Tudo isso, feito com muito cuidado e entusiasmo pela Hidroenergia. Um tipo de energia altamente produtiva, que gera emprego e que ajuda a manter forte a indústria nacional.

Não é a toa que o nosso trabalho vem crescendo: quando se trabalha pensando no nosso país, o resultado é sempre garantido.

Até a próxima!

 

Fontes:

O que são PCHsn e CGHs? – ABRAPCH – Associação Brasileira Pequenas Centrais Hidrelétricas e Centrais Geradoras Hidrelétricas

ANEEL avança na análise das PCHs e pode somar até 7.000 MW ao sistema – ANEEL – Agencia Nacional de Energia Elétrica

Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) – ANEEL – Agência Nacional de Energia Eletrica

Deixe o seu comentário: